| V E R T I C A L |

O Baixo Elétrico Vertical ou Electric Upright Bass (EUB) é um instrumento híbrido que alia o melhor do elétrico com o melhor do acústico. A escala 3/4, a curvatura do espelho, o encordoamento e a captação piezo dão ao Vertical uma sonoridade e uma pegada muito próximas da do contrabaixo acústico, tanto em pizzicato como no arco; sua reduzida dimensão faz dele um instrumento tão fácil de transportar quanto um baixo elétrico. O instrumento vem com um espigão para ajuste de altura, além de um apoio abdominal, que simula uma distância entre instrumento e instrumentista similar à de um contrabaixo acústico.

Nossos Verticais apresentam as seguintes especificações:

  • Escala : 3/4 ( 1050 mm).
  • Corpo: cedro rosa.
  • Tampo: louro preto, imbuia ou maple.
  • Espelho: pau ferro ou muirapiranga.
  • Cavalete: maple.
  • Espigão: aço inoxidável com ajuste de altura e inclinação.
  • Apoio abdominal: cedro rosa.
  • Marcação: 3°, 5°, 7°, 9° e  12° casas.
  • Sistema de ajuste de ação das cordas.
  • Tarraxas: Gotoh GB70B.
  • Encordoamento: D’addario Prelude.
  • Pickup: DiCarmo Piezofone.
  • GigBag.
  • Peso: 7 Kg.

| M Ú S I C O S |

Alguns dos nossos amigos e clientes: Adriano Giffoni, Alexandre Rabelo Jr., André de Cayres, Alfredo Bello, Arthur Maia, Beto Birger, Bruno Migliari, Célio Barros, Claudio Machado,| Filipe Barthem, Fernando Nunes, Haroldo Cazes, Jorge Pescara, Leonardo Lamas Neiva, Luiz H. Bertrami, Marcelo Magal, Mauro Domenech, Paulo Tchilibass, Robertinho Silva, Sizão Machado, Toinho Alves, Wagner Bennert, Eduardo Cáceres e Eduardo Malta.

| C D s   &   D V D s |

Uma seleção de CDs e DVDs que dá uma mostra das possibilidades dos Verticais DiCarmo, com performances de Arthur Maia, Beto Birger, Célio Barros, Cláudio Machado, Fernando Nunes, Jorge Pescara, Sizão Machado e Toinho Alves.

| L U T H I E R |

Comecei a construir baixos elétricos verticais no fim dos anos 90,  apostando na possibilidade desse instrumento reunir o melhor do baixo elétrico e do double bass, sobretudo em termos de design, ergonomia e sistema de captação. Paralelamente ao trabalho como luthier, fiz uma extensa pesquisa acadêmica sobre instrumentos musicais, e defendi uma tese de doutorado sobre o assunto na USP em 2007. Morei na Europa entre 2010 e 2012, quando pude me aperfeiçoar, conhecer diferentes luthiers, ateliers e museus de instrumentos musicais. Desde 2013 sou professor do Curso Superior de Luteria, da Universidade Federal do Paraná, onde dou aulas de construção e entalhe de instrumentos elétricos.